Felipe Ruschel lança clipe “Pequeno Romance”.

Tendo desde sempre sua história musical relacionada com o rock do RS, influências do rock britânico e da MPB, o cantor e compositor porto-alegrense Felipe Ruschel, nascido e criado no bairro IAPI – berço do rock gaúcho na década de 60 – lançou em 2003 o projeto “Revival 80”, onde resgatava o cenário oitentista sulista com releituras de clássicos e “lados B” que marcaram uma geração.

Residindo atualmente no Rio de Janeiro, o cantor e compositor que já havia gravado outros dois clipes “Será Que Isso Passa?” e “Sem Nenhum Tostão”, lançou em fevereiro o seu terceiro videoclipe “Pequeno Romance”, filmado em Los Angeles /Califórnia e em Porto Alegre-RS.

Nas cenas filmadas na Califórnia a direção ficou por conta de Emiliano Ruschel (diretor do longa “Maverick: Caçada no Brasil”) e (premiado em Los Angeles como melhor ator no “Los Angeles Brazilian Film Festival”). As cenas filmadas em Porto Alegre, são de Gabriel Cunha (“Satsaunga” e “Das 5 às 7 Num País Em Subdesenvolvimento”), da Cartel Filmes. A produção ficou sob a responsabilidade de Tatiane Slongo.

Em 2005, Felipe teve sua música “Sala da Minha Casa” selecionada para o “8º Festival de Música de Porto Alegre”, o que acabou gerando, no ano seguinte, o primeiro show autoral do compositor – Felipe Ruschel “InPróprias” – na Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre.

Lançou em 2007 os singles “Não Sei Se Vai Dar” e “Segundo Findi de Agosto”. Morando em Florianópolis, entre 2008 e 2010, montou a banda “Vidro Fumê”, primeira banda especializada em rock gaúcho do estado vizinho. Ruschel produz, ainda, jingles para a iniciativa privada, tendo assinado mais de 100 trabalhos nos últimos anos.

Gravado no Estúdio IAPI em Porto Alegre, e masterizado por Thomas Dreher no Estúdio Dreher, o disco “Nem Eu Sei” conta com a produção de Vicente Guedes e com músicos que fazem parte da história do rock gaúcho, tais como Daniel Mossmann (Pata de Elefante, Acústicos e Valvulados – guitarra), Luis Henrique “Tchê” Gomes (TNT, TeNenTe Cascavel – guitarra), Márcio Petracco (TNT, TeNenTe Cascavel, Conjunto Blue Grass – pedal steel, dobro e bandolim), Luciano Albo (Cascavelletes, TeNenTe Cascavel – baixo e backing vocals), Luciano Leães (Fernando Noronha & Black Soul, Acústicos e Valvulados, Locomotores – teclados) e Alexandre “Papel” Loureiro (Pública, Locomotores – bateria).

Em 12/12/12 lançou disco “Nem Eu Sei” no Dhomba, em Porto Alegre, em um incrível show que contou com a participação de grandes nomes da cena porto-alegrense. Daniel Mossmann (Pata de Elefante, Acústicos), Luciano Albo (Cascavelletes, TeNenTe Cascavel), Gustavo Telles (Pata de Elefante, Gustavo Telles & Os Escolhidos), Edu Meirelles (Pata de Elefante, Fernando Noronha e Black Soul, Alemão Ronaldo & Banda), Murilo Moura (Alemão Ronaldo & Banda, Gustavo Telles & Os Escolhidos) entre outros, promovendo uma incrível noite de Rock n’ roll com o público cantando junto músicas como “Sem Nenhum Tostão”, “Pequeno Romance” e “Será Que Isso Passa?”.

Em breve

https://www.facebook.com/FelipeRuschel/

Radio Shiga by Cleo Oshiro Oficial Page: http://wp.radioshiga.com/programacao/

COMPARTILHE
Artigo anteriorO poder do look monocromático escuro
Próximo artigoRússia veta projeto de resolução da ONU para investigar ataque químico na Síria
Cleo Oshiro

Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não.
Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site