Arandu Arakuaa: Banda mistura heavy metal com música indígena.

Formada em 2009 em Taguatinga (DF), a banda Arandu Arakuaa mescla em sua música, diversas vertentes do rock pesado heavy metal com música indígena e regional brasileira, sendo todas elas com letras em tupi antigo, xerente e xavante.

Arandu faz uso de cânticos xamânicos, flauta uruá, flauta bororo, flauta enawenê-nawê,, maracá, pau de chuva e chocalho de pé.

Zândhio Aquino

A banda Arandu Arakuaa (que em tupi-guarani significa: “saber dos ciclos dos céus” ou “sabedoria do cosmos”), teve início em abril de 2008 quando Zândhio Aquino começou a compor músicas com letras em Tupi Antigo.

A musicalidade da banda mescla heavy metal à música indígena e regional brasileira, com letras nos idiomas indígenas Tupi, Xerente e Xavante, inspiradas nas lendas, ritos e lutas dos Povos Indígenas do Brasil.

Desta maneira, buscando contribuir para a divulgação, resgate da cultura ancestral indígena e valorização de suas manifestações culturais, subestimadas durante os séculos.

O uso da viola caipira realça ainda mais a brasilidade na sonoridade Arandu Arakuaa. O vocalista Zândhio usa uma Guitarra acoplada a uma Viola caipira, instrumento idealizado pelo próprio músico e Instrumentos Indígenas)

Saulo Lucena

Em agosto de 2011, a banda fez o seu primeiro show e, desde então, divulga o seu trabalho com um repertório 100% autoral. Conta com um EP “Arandu Arakuaa – 2012” e dois álbuns “Kó Yby Oré – 2013” e “Wdê Nnãkrda – 2015”; vídeos clips e lyrics vídeo.

Já tendo se apresentado em festivais como Agosto de Rock (TO); Femme Festival (GO); Ferrock (DF); Porão do Rock (DF), THORHAMMERFEST(SP) e no evento Fórum Mundial de Direitos Humanos.

Foi citada como exemplo de resistência em ecologia, em tese de doutorado em educação da UNICAMP, participou de uma cena para uma série sobre o lendário Zé do Caixão, interpretado pelo ator Matheus Nachtergaele e transmitida pelo canal de Tv Space, além de matérias em mídias de grande circulação como BBC Brasil, Uol, G1, Terra, O Globo, Correio do Povo, dentre outros.

Karine Aguiar

O vocalista e criador da  Arandu Arakuaa, é descendente de índios e deixou a sua cidade em Tocantins e tentou fazer parte de várias bandas em Brasilia, mas em nenhuma conseguiu espaço para implantar o som indígena.

A cantora e pesquisadora em etnomusicologia, Karine Aguiar, é a nova vocalista  para a temporada de shows de 2017. O baterista/percussionista e pesquisador dos ritmos amazônicos, Ygor Saunier é novo novo baterista. O forte da vocalista é o gutural, uma técnica agressiva incomum para mulheres e com a saída dela da banda, os vocais agressivos ficarão sob a responsabilidade de Saulo e Zândio, que canta como um pajé, com voz mais rouca.

Ygor Saunier

Arandu Arakakuaa é considerada uma das bandas mais representativas da cultura original brasileira, sendo a primeira banda heavy metal a cantar na principal língua indígena brasileira, onde para participar de um documentário sobre Metal e Culturas Indígenas juntamente com os cariocas do Tamuya Thrash Tribe e os paulistanos do Voodoopriest. O programa foi transmitido pela Arte TV para França e Alemanha, e recentemente disponibilizado no youtube:

Em francês: https://www.youtube.com/watch?v=nASZBa4FcsI
Em alemão: https://m.youtube.com/watch?v=8-H5J3xf3CA

Pablo Vilela.

Arandu Arakakuaa concorreu nas categorias “Melhor Álbum Nacional” e “Melhor Guitarrista Nacional” 2016, pela Roadie Crew. A banda também esta confirmada para a edição de 2017 do Tribus Festival Brasil. O festival sera realizado no dia 22 de julho na Granja Regina em Carangola, zona da mata mineira.

Karine Aguiar (Vocais)
Zândhio Aquino (Guitarra/Viola Caipira/Vocais/Instrumentos Indígenas)
Pablo Vilela (Guitarra/Vocais/Maracá)
Saulo Lucena (Contrabaixo/Vocais/Maracá)
Ygor Saunier (Bateria/Percussão)

ATENÇÃO: Os vídeos na matéria são com a vocalista anterior da banda, Nájila Cristina. A cantora Karine Aguiar assumiu o vocal em 2017.

Facebook: https://www.facebook.com/aranduarakuaa/
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCBvvDkUutlYUwXRGYKSfDNQ

Radio Shiga by Cleo Oshiro Oficial Page: http://wp.radioshiga.com/programacao/

COMPARTILHE
Artigo anteriorTrump ordena revisão do programa de vistos dos EUA
Próximo artigoPence: Coreia do Norte é a mais urgente ameaça
Cleo Oshiro

Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não.
Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site